MENU

19/01/2022 às 10h53min - Atualizada em 21/01/2022 às 00h00min

Eimeria acervulina tem incidência de 11,96% em aves monitoradas pelo Sistema AVIS, da Phibro

Dados são referentes a janeiro a dezembro de 2021

SALA DA NOTÍCIA Vitorya da Cruz Paulo
Phibro Saúde Animal
Divulgação
O Programa de Assistência Veterinária e Integralidade Sanitária (AVIS), da Phibro Saúde Animal, registrou, de janeiro a dezembro de 2021, incidência de 11,96% para Eimeria acervulina, uma das espécies de eimeria causadoras da coccidiose em aves. Além disso, o programa, que realiza monitoramento sanitário para frangos de corte, também detectou 7,64% de incidência de Eimeria maxima e 4,34% de Eimeria tenella, outras importantes espécies causadoras da doença. Durante o período, o Programa AVIS avaliou 6.883 aves.

Esses percentuais de incidência dos parasitas deixam em alerta produtores e técnicos, visto que a coccidiose é uma das maiores responsáveis por perdas econômicas na avicultura. Pesquisadores estimam que o custo combinado das perdas devido à doença na produção avícola brasileira foi de US$ 1,33 bilhão (dados de 2019), correspondentes a US$ 0,24 por ave criada. Como explica a mestre em sanidade animal pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e gerente técnica de avicultura da Phibro Saúde Animal, Patrícia Tironi Rocha, "os valores incluem gastos com profilaxia, como programas preventivos, tratamento, mortalidade e piora de desempenho zootécnico".

Lotes afetados pela coccidiose têm reduzida performance zootécnica, explica Patrícia. Isso significa pior ganho de peso e conversão alimentar e menos aves entregues para abate, além do aumento dos custos de produção. A especialista alerta para riscos, inclusive, para os consumidores. "Problemas intestinais causados nas aves por coccidiose também podem abrir portas para patógenos importantes para a saúde pública, como os causadores de salmonela", informa.

Dependendo da espécie de eimeria que está parasitando as aves, os avicultores podem perceber alguns sinais característicos. A Eimeria tenella, dependendo do nível de parasitismo, leva as aves a produzirem descargas cecais com sangue. Já para Eimeria maxima, pode haver excretas de aspecto alaranjado em função da intensa descamação do epitélio intestinal. E para Eimeria acervulina e Eimeria maxima, dependendo do nível de parasitismo, o ganho de peso e a conversão alimentar dos lotes podem ser drasticamente afetados.

Para reduzir os impactos da coccidiose na avicultura e contornar possíveis surtos nas granjas, Patrícia Rocha destaca a importância da monitoria sanitária das aves, de forma a acompanhar a incidência e escores médios de lesões das coccidioses e de outros achados de necropsia nos plantéis, bem como o uso de estratégia preventiva adequada e bem planejada, contemplando rotações de anticoccidianos em função dos desafios encontrados.

Para controlar a coccidiose, a melhor estratégia preventiva é o uso de anticoccidianos na ração dos frangos de corte, como Aviax Plus, da Phibro. Além disso, boas práticas de manejo também são essenciais, observa Patrícia Rocha, como ambiência adequada para que as aves tenham consumo adequado do alimentos com anticoccidiano e para manter a cama do aviário seca. "A melhor forma de lidar com a coccidiose é com anticoccidianos eficazes e seguros na ração das aves", recomenda.

Sobre a Phibro

A Phibro Saúde Animal é uma das mais importantes indústrias veterinárias e de nutrição animal do mundo. Criada em 1916, nos Estados Unidos, está presente no Brasil há 25 anos, oferecendo produtos para suínos, aves, bovinos de corte e de leite, peixes e camarões, além oferecer soluções para a produção de fontes energéticas renováveis. Para mais informações, acesse: www.pahc.com/brasil
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://gazetacentrooeste.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp