MENU

21/01/2022 às 11h46min - Atualizada em 23/01/2022 às 00h00min

Janeiro Roxo: Instituto alerta sobre a importância do diagnóstico e tratamento da hanseníase no Brasil

Mais de 30 mil novos casos de hanseníase são diagnosticados todos os anos no Brasil, segundo dados da OMS

SALA DA NOTÍCIA Jéssica Amaral - DePropósito Comunicação de Causas
www.depropositocomunica.com
Divulgação

Janeiro é o mês em que a comunidade dedicada ao combate à hanseníase reúne esforços para conscientizar sobre a gravidade da doença e a importância do diagnóstico precoce e do tratamento adequado. E como forma de lembrar que a doença ainda existe e tem cura, a Aliança contra Hanseníase (AAL, na sigla em inglês – Alliance Against Leprosy) distribuiu, para diversas partes do Brasil, mais de 1 mil fitinhas do Bonfim, em diversas cores. Desde a sua fundação, o instituto já impactou centenas de pessoas com projetos de capacitação médica para a hanseníase.

A campanha faz parte do Janeiro Roxo, que é uma mobilização nacional na qual são realizadas ao longo do mês diversas ações médico-social em diversas partes do Brasil, como forma de chamar a atenção da população para os sinais e sintomas da hanseníase e alertar para a importância do diagnóstico precoce da doença, evitando sequelas graves. O Janeiro Roxo foi criado em 2016 e tem o último domingo do mês como data símbolo, que é o Dia Mundial de Combate e Prevenção da Hanseníase.    

As ações realizadas na campanha Janeiro Roxo também têm o objetivo de reforçar o combate ao preconceito contra a enfermidade e o isolamento dos doentes. A hanseníase tem cura e o tratamento é 100% gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Live aborda o papel da educação no combate à hanseníase em Mato Grosso

No dia 25 de janeiro, a Aliança contra Hanseníase, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde e a Secretaria Estadual de Educação do Mato Grosso e representantes das escolas privadas do estado, vão realizar uma live sobre educação e saúde na prevenção e tratamento da hanseníase. “A informação é a nossa maior aliada para combater o preconceito e também favorecer o diagnóstico precoce. Atingir a população infanto-juvenil é a nossa estratégia em 2022”, comenta Dra. Laila de Laguiche, médica dermatologista e fundadora do Instituto Aliança contra Hanseníase.    

Mato Grosso é considerado o estado mais hiperendêmico do Brasil e no qual o Instituto está desenvolvendo parcerias para facilitar o diagnóstico e o tratamento da doença junto à população. A live será transmitida pela plataforma Telessaúde, de Mato Grosso. 

Mais de 30 mil novos casos todos os anos

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil é o segundo país com maior número de casos de hanseníase no mundo, atrás apenas da Índia. Conforme o documento Estratégia Global para Hanseníase 2016 – 2020, da Organização Mundial de Saúde (OMS), os países Índia, Brasil e Indonésia notificaram, por ano, mais de 200 mil novos pacientes acometidos pela doença. No Paraná, por exemplo, em 2021 foram registrados 222 casos da doença, sendo que mais de 80% foram as formas mais graves, segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA/PR).   

A hanseníase é uma enfermidade que está na lista de Doenças Tropicais Negligenciadas (DTN) e existe um grande risco de endemia oculta da doença no país. Por isso, informar e conscientizar a população é de extrema importância no combate à doença. “Embora em 2020 tivemos uma queda de quase 40% dos diagnósticos de novos casos, esses dados na verdade refletem a pandemia de COVID-19, onde a acessibilidade e a adesão a tratamentos continuados ou prolongados foi duramente afetada em múltiplas doenças, como hipertensão arterial, diabetes, câncer de colo do útero e também a hanseníase", completa Dra. Laila.

Tratamento tardio pode deixar sequelas graves

A hanseníase é uma doença crônica infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que se multiplica lentamente e pode levar de cinco a dez anos para dar os primeiros sinais. A patologia afeta principalmente os nervos periféricos e está associada a lesões na pele, como manchas esbranquiçadas ou avermelhadas, caroços ou placas pelo corpo, ressecamento e perda de sensibilidade e força para segurar objetos.

O diagnóstico de hanseníase pode ser facilmente confundido com outras doenças (artrite, artrose, trombose, fibromialgia, por exemplo) e quando tardio pode deixar graves sequelas, especialmente a incapacidade física com deformidades em mãos e pés, podendo levar também à cegueira. A transmissão é através de gotículas de saliva eliminadas na fala, tosse ou espirro de pessoas não tratadas e em fases mais adiantadas da doença, porém logo no  início do tratamento, a transmissão é interrompida.

“O diagnóstico tardio aumenta consideravelmente as chances dos doentes virem a desenvolver sequelas físicas, na maioria das vezes irreversiveis.”, explica a fundadora do Instituto. 

Instituto doou materiais e equipamentos de tecnologia assistiva para pacientes com hanseníase 

Em setembro de 2021, a Aliança contra Hanseníase lançou a ação TECHansen, um projeto com o objetivo de doar materiais e equipamentos de tecnologia assistiva para pacientes que apresentam deficiências físicas ocasionadas pela hanseníase nos olhos, nariz, mãos e pés. A ação iniciou de forma piloto nos estados de São Paulo e Paraná, e depois expandiu para 10 outros estados do país. O TECHansen já doou mais de 900 itens e impactou mais de 100 pacientes com hanseníase, promovendo qualidade de vida para estas pessoas. 

A ação continua e para solicitar os materiais e dispositivos disponibilizados pela AAL, é necessário que o profissional de saúde (terapeuta ocupacional, enfermeiro, fisioterapeuta, e/ou médico) e que, preferencialmente, esteja alocado em algum serviço público de referência e/ou de reabilitação, com demanda de atendimentos aos pacientes de hanseníase, preencha o formulário com informações básicas sobre o diagnóstico e o acompanhamento e, no final, assinar um termo de consentimento, disponível no link https://www.allianceagainstleprosy.org/techansen/cadastro-de-pacientes/

Após a análise pelo Instituto, o material é separado e enviado sem custos para o endereço indicado no cadastro e conforme a disponibilidade dos materiais. A lista de itens disponibilizados para doação pode ser conferida no site do Instituto. “Foi maravilhoso receber o ‘kit’. Eu estava precisando. O material vai ser muito útil, principalmente a luva. Como eu cozinho e qualquer coisa eu me queimo, acabo me machucando. Estou muito feliz com o kit”, comenta J.A.S, de Praia Grande (SP), paciente com sequelas da hanseníase, beneficiado com materiais doados pelo projeto TECHansen. 

 

Instituto Aliança contra Hanseníase

Com sede em Curitiba (PR) e projeção internacional, o Instituto Aliança contra Hanseníase é uma associação sem fins lucrativos que une ciência, educação e filantropia no combate à hanseníase. O Instituto AAL foi fundado pela dermatologista e hansenologista Dra. Laila de Laguiche, profissional com 20 anos de experiência na área, pós-graduada em Saúde Internacional e Doenças Tropicais pelo Instituto de Medicina Tropical da Antuérpia (Bélgica). Já atuou como representante da regional Sul e Relações Internacionais da Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH). A entidade ainda conta com uma equipe de conselheiros formada por grandes referências em hansenologia no Brasil e na América Latina. Mais informações, acesse www.allianceagainstleprosy.org


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://gazetacentrooeste.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp